Inadimplência escolar: saiba como reduzi-la

Inadimplência escolar: saiba como reduzi-la!

Como qualquer empresa, uma escola necessita de dinheiro em caixa para funcionar. Entretanto, diferentemente de outros empreendimentos, a instituição de ensino privada tem sua receita centrada em uma única fonte: as mensalidades dos alunos, que quando deixam de ser pagas comprometem muito o orçamento da escola.

Dessa forma, manter a taxa de inadimplência controlada é estritamente necessário para garantir a boa saúde financeira da sua instituição. Entretanto, como manter esse controle é a dúvida de muitos gestores. Por isso, a Sponte trouxe algumas dicas para você lidar bem com essa situação. Confira!

Evitando um alto número de inadimplentes

A inadimplência é uma realidade de qualquer instituição de ensino particular, mas há maneiras de mantê-la em controle para que o fluxo do seu caixa não seja prejudicado. Veja alguns passos que podem te ajudar nessa tarefa:

1. Prepare sua equipe

Invista em workshops e cursos que instrua sua equipe a lidar com inadimplência, de modo que elas aprendam a adotar estratégias para que as mensalidades atrasadas não prejudiquem o pagamento de funcionários, o pagamento de contas e os investimentos para melhoria dos serviços prestados.

2. Tenha organização

Para que as mensalidades atrasadas não impactem tanto no orçamento da escola, ter organização financeira é tão imprescindível quanto o preparo de sua equipe.

Quando sua equipe é organizada, ela tem seus dados ordenados, sabe onde procurar informações e sabe exatamente quantas e quais são as famílias inadimplentes, sendo possível que ela calcule o limite da taxa de inadimplência que a escola suporta sem que haja prejuízo no fluxo de caixa.

Profissionais bem treinados munidos de ferramentas de organização conseguem lidar melhor com problemas financeiros.

Saiba mais sobre a importância das ferramentas de organização no nosso artigo deixe as planilhas de lado e aposte na automação.

3. Mantenha a qualidade dos serviços prestados a seus alunos

A qualidade dos materiais didáticos, da infraestrutura oferecida e a qualidade do ensino são coisas que a escola deve procurar manter mesmo em tempos de dificuldades financeiras. Se a qualidade cai, aumenta o número de alunos que deixam de pagar a mensalidade ou que deixam sua instituição, já que a escola não oferece mais aquilo que havia proposto. Ou seja, aumenta o fluxo de alunos e a taxa de inadimplência, refletindo diretamente no caixa da escola.

4. Tenha uma boa comunicação com os pais

Uma equipe bem organizada e com boa comunicação consegue precaver a inadimplência: mantendo contato com os pais, enviando informações importante a respeito das melhorias feitas na escola, mandando lembretes da data de vencimento da mensalidade, disponibilizando um meio para esclarecimento de dúvidas, enviando código de barras para pagamentos, entre outras estratégias.

Uma comunicação efetiva, aliada à boa organização e preparação, é a melhor forma de manter baixo o número de pais inadimplentes.

Revertendo a inadimplência

Quando o nível da inadimplência é maior do que o esperado e as contas não fecham, causando atraso nos pagamentos ou diminuindo os investimentos, é necessário que a gestão crie estratégias para voltar a controlar os índices e garantir a boa saúde financeira da sua instituição. Confira alguns meios de lidar com essa situação:

• Nunca envolva o aluno

Segundo a lei 9.870, que dispõe sobre mensalidade atrasada, é proibido práticas como reter documentos e impedir o aluno de fazer provas, entre outras penalidades. A lei explica que o estudante não pode sofrer nenhum tipo de constrangimento para que seja efetuado o pagamento.

Essa lei só reforça a ideia de que a inadimplência escolar não é causada pelo aluno e sim pelos seus familiares e, por isso, a melhor forma de resolver a situação e não prejudicar, academicamente e emocionalmente, o estudante é contatando o responsável e não envolvendo o aluno.

• Faça acordos de forma sutil

A maioria dos casos de inadimplência escolar é causada por problemas financeiros pelos quais a família está passando. Normalmente, esses problemas são passageiros e o pagamento voltará a ocorrer quando a família se recuperar. Entretanto, as mensalidades atrasadas geram encargos e multas o que, em muitos casos, dificulta ainda mais o pagamento e a quitação da dívida.

Nesse cenário, é importante que a escola tenha uma pessoa do financeiro e, se possível, um (a) psicólogo (a) ou pedagogo (a) para lidar somente com esses casos. Assim, é possível que a escola entenda a realidade financeira da família e consiga negociar de forma condizente a regularização da mensalidade – por exemplo, vale mais a quitação das mensalidades atrasadas, sem o recebimento dos encargos, do que postergar a dívida para que as multas e os juros sejam pagos também.

Quando a escola fornece o aparato coerente e necessário para lidar com a situação, sem uma postura agressiva com os pais, as chances de obter sucesso nas negociações são maiores – possibilitando que a equipe volte a controlar a inadimplência e diminuindo as chances de perder um aluno.

Saiba mais sobre a importância de manter um aluno na sua instituição no nosso artigo reter alunos ou captar novos: o que é mais rentável?

Embora a inadimplência seja um fator recorrente, é possível que as escolas consigam manter esse quadro estável e não ter problemas financeiros. Esperamos que as nossas dicas ajudem nesse trabalho. Conte sempre com a Sponte!

Preencha os campos abaixo e receba contato de um de nossos consultores.

Deixe seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *